CONVERGENCIA POÉTICA
BIENVENIDO A TU CASA DONDE TUS LETRAS SERÁN

RECONOCIDAS

A NIVEL INTERNACIONAL.

Es nuestro lema: La Libertad.
Últimos temas
» AL DESPERTAR
Hoy a las 8:01 am por jose francisco

» “En el último minuto de este viejo año”
Jue Feb 15, 2018 4:33 pm por Roberto santamaría martín

» “VILLANCICOS” (ampliados)
Jue Feb 15, 2018 4:30 pm por Roberto santamaría martín

» UNA TARDE CUALQUIERA
Miér Feb 14, 2018 11:39 am por Alejandro Guardiola

» VII CERTAMEN POÉTICO INTERNACIONAL RIMA JOTABE
Miér Feb 14, 2018 7:32 am por CECILIA CODINA MASACHS

» No morir en el amor
Lun Feb 12, 2018 7:39 pm por Arcangel

» FELIZ CUMPLEAÑOS ELSSER!!!
Vie Feb 09, 2018 7:59 am por Roberto santamaría martín

» POR INTERVENCIÓN QUIRÚRGICA ME AUSENTO DEL FORO
Jue Feb 08, 2018 8:45 pm por Amalia Lateano

» LUNA TEMPLADA
Vie Ene 19, 2018 5:23 pm por Amalia Lateano

Herramientas del lenguaje
Citas
BIBLIOTECAS
Obras nuestras
smilesmilesmilesmilesmilesmilesmilesmilesmile smile

SANTO/A DEL DÍA
Febrero 2018
LunMarMiérJueVieSábDom
   1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728    

Calendario Calendario

Palabras claves

hojas  musa  azules  


A DOR DO MEU AMOR

Ir abajo

A DOR DO MEU AMOR

Mensaje por CECILIA CODINA MASACHS el Jue Ene 28, 2016 7:52 pm

A DOR DO MEU AMOR



Se eu dissesse que o amor não dói... lhes mentiria. A mim se me parte a alma de não poder estar junto d'Aquele a quem amo e estou atada com um simples fio de seda a este mundo até que Ele queira.




Vivo enamorada de Deus, vivo na nostalgia das suas delícias antes de ser, eu, salpicada pelo pecado que outros antepassados cometeram.




E isso é amor, um amor de loucura em que sou correspondida já em vida por pequenas carícias do meu divino Esposo. Quem diz que o amor não fere não sabe o que é amar com uma fé pura.



Estando eu aconchegada em tua alcova



Senti no meu peito um grande desejo

De mais que ver, ser eu formosa

Ante os teus olhos alma e inteiro corpo.




Eu balanceava-me como uma menina

Como num baloiço em ares novos

A fragrância da amêndoa era pinha,

Os ciprestes no alto miravam ao céu.



Que amor é este meu Deus, que é

Que deixas a minha alma para ti aturdida,

Terna e adobada de fiéis virtudes

Que dilata a alma antes encolhida?



E dizem que o amor dói e fere

Qual será o meu penar se ao doer calara

Necessita alimentar a sua pena e quer

Deixar nos olhos do que ama a sua chaga.



Amor da minha alma, hirta está à espera

Não tardes meu bem, vem veloz beijar-me

Que a tua boca me sabe a pouco como pena

Beija-me nas entranhas até cansar-me. 

 

Autor Sor. Cecilia Codina Masachs





avatar
CECILIA CODINA MASACHS
Moderador
Moderador

Mensajes : 8054
Fecha de inscripción : 17/08/2012
Edad : 66
Localización : Valencia-España

Volver arriba Ir abajo

Volver arriba

- Temas similares

 
Permisos de este foro:
No puedes responder a temas en este foro.